CMI Secovi MG CMI Secovi MG

A constante inovação nos condomínios

6 de fevereiro de 2018

Os condomínios já vêm se adaptando à realidade high tech, utilizando cada vez mais essas inteligentes ferramentas. Entre as várias modernidades tecnológicas, podemos destacar as ações inteligentes de sustentabilidade, incorporação da tecnologia no dia a dia e a instalação da portaria eletrônica.

Os condomínios residenciais de alto padrão e as construtoras já se preocupam em implementar técnicas e equipamentos que acompanham o estilo de vida e as demandas da sociedade, como manejo de recursos hídricos com o sistema de captação de água da chuva, além de sistemas de tratamento e reaproveitamento; uso de painéis solares para geração de energia; rede de transmissão de dados por fibra ótica e cabeamento subterrâneo para oferecer os melhores serviços sem agredir o meio ambiente; implantação de coleta seletiva de lixo com tratamento adequado dos resíduos ou até mesmo a implementação de um programa completo de sustentabilidade.

A inovação tem relação direta com a tecnologia, softwares e aplicativos no dia a dia, criando um ambiente mais conectado e atendendo às demandas dos moradores, auxiliando na gestão e na organização dos moradores. As ferramentas tecnológicas impactam todos os processos internos, incentivando os debates e a participação dos condôminos. Exemplo disso são os circuitos internos de câmeras de acesso remoto, que garantem maior segurança ao condomínio e promovem também o respeito às regras internas.

Com a portaria eletrônica, aumentou-se a segurança, diminuindo a taxa de condomínio em valores significativos. A operação de vigilância e o controle de entradas e saídas são feitos remotamente. Já a abertura e o fechamento dos portões ficam a cargo do operador, que permanece na central de monitoramento. O acompanhamento e a movimentação de pessoas são feitos por meio da internet e das câmeras instaladas, sem porteiro físico no local. É importante destacar que um dos maiores gastos dos condomínios é justamente a manutenção dos custos diretos e indiretos dos porteiros.

O sistema de portaria eletrônica pode ser complementado por outros equipamentos, como sistemas de tags, biometria ou apps para monitorar a movimentação de entrada e saída de moradores e visitantes, abertura e fechamento remoto dos portões, sistema de internet/telefonia com relevância para exercer a comunicação entre a central e o condomínio. O telefone, nesse caso, serve como um plano alternativo em caso de problemas de conexão. Há, ainda, câmeras IPs que transmitem a imagem pela internet e facilitam a comunicação entre o operador e o visitante ou morador do condomínio, o gerador ou sistema de “nobreak” necessário para equipamentos de segurança e de comunicação, além dos portões, para que continuem funcionando em caso de queda de energia elétrica.

Temos ainda a cerca elétrica, utilizada para manter a segurança do perímetro do condomínio; o botão de pânico, que serve para acionar rapidamente a empresa e a polícia, caso ocorra algum problema; o backup das imagens, que podem ser usadas como prova e, por isso, devem ser armazenadas, preferencialmente, em um sistema de computação em nuvem. Entre os principais benefícios conquistados com essas medidas estão a redução de custos, a ausência do porteiro físico e a diminuição do passivo trabalhista do condomínio. Além disso, o síndico deixa de se preocupar com a falta ou com o atraso de algum funcionário. A central de monitoramento, por sua vez, consegue gerenciar diversas portarias de uma vez. Outra questão relevante é que a economia gerada possibilita fazer mais investimentos em equipamentos e sistemas de segurança, como sensores de movimento nos ambientes externos e internos. Assim, se algum invasor entrar no condomínio, ele é facilmente identificado, até com o acionamento de holofotes e sensores de sirene.

Em relação ao monitoramento das informações do condomínio, os dados de acesso são registrados em um sistema informatizado de controle, o que assegura o monitoramento do fluxo de pessoas e de carros, e qualquer morador pode solicitar essas informações caso tenha alguma dúvida.

O monitoramento da portaria eletrônica deve ser feito, geralmente, por profissionais especializados, que têm como objetivo garantir a interatividade e a segurança dos moradores. Eles devem dispor de suporte de alta tecnologia e da segurança moderna para ter a certeza de que as pessoas que entram no edifício são, realmente, autorizadas.

NOSSAS MÍDIAS

TV SECOVI

ÚLTIMA EDIÇÃO - REVISTA FOCO



Sobre a CMI Secovi MG

Em prol de um mercado imobiliário mais fortalecido, a entidade defende os interesses das empresas associadas

Contato

+55 (31) 3243-7555

Rua Sergipe, 1000, Savassi 30130-174

 

Site desenvolvido por Act Comunicação